segunda-feira, 27 de março de 2017

A CULPA É DO HENRIQUE????



Odair José pede aos brasileiros que lutem para evitar mais retrocessos

============================
Ó Paí, Ó - Roque - Lázaro Ramos - Vou tirar você desse lugar (cover de Odair José): https://youtu.be/SWpDSEwAQ_k

Arnaldo Antunes canta 'Eu vou tirar você deste Lugar' no Altas Horas
https://youtu.be/o05WiycYsS8

Eu vou tirar você desse lugar - Los Hermanos

============================
============================


==============



==============

Odair José - A culpa é do Henrique

Exclusivo! O artigo de filosofia e política que enfureceu o justiceiro da Globo!

Por causa desse artigo, que o Cafezinho publicou em primeira mão em 21 de março de 2016, Sergio Moro está tentando botar Roberto Ponciano, um escritor socialista profundamente erudito, colaborador do blog, na prisão.
Leiam e compartilhem! 

Pela liberdade de expressão!
==========================================
Moro, Eichman e a banalidade do mal

Por Roberto Ponciano, colaborador do Cafezinho

O mais assustador no que está acontecendo no Brasil não é uma questão apenas política, e ver que em poucos meses, uma democracia que demorou 20 anos para ser reconstruída pode se esfumar. Alain Badiou deixou claro em sua obra, que a negligência, a omissão de quem tem o dever de atuar, dos intelectuais e militantes políticos diante de um Evento é imperdoável. Não é simples omissão, é cumplicidade, é criminoso.

O assustador desta história é que o juiz Sérgio Moro não é um grande ator político, ao fim e ao cabo Moro é um Zé Ninguém (na acepção inclusive reicheana da miséria psíquica), um juiz de visão política turva, nenhuma envergadura intelectual, com inteligência limitada e visão zero de sociedade.
Um mero Eichman, executor das ordens superiores.

No momento não sabemos claramente de quem, mas efetivamente desconfiamos da cumplicidade. De certo, do próprio Janot, o Procurador Geral da República, que deveria ser o defensor da lei, mas tendo conhecimento dos pérfidos grampos de Moro, se não os autorizou, ratificou sua “legalidade”.

O aspecto tragicômico deste enredo é que nem um dos dois, nem Moro, nem Janot, tem qualquer dúvida que estão perpetrando uma ilegalidade. Os grampos nos telefones de Lula, Dilma, Jacques Wagner, Rui Falcão não tem nada que ver com a Lava Jato. Fariam corar de vergonha ou inveja os tribunais de exceção nazistas e o senador Joseph McCarthy. Ambos sabem que as escutas são ilegais e imorais e claramente persecutórias de um partido.

Hannah Arendt, ao acompanhar o julgamento de Eichman, cunhou a famosa frase, que resume toda uma teoria: “o mal é estrutural”.

O mal se torna banal quando um simples burocrata medíocre como Eichman é capaz de, sem sentir culpa ou remorso, fazer parte da engrenagem do mal.

Moro é Eichman, um burocrata medíocre, de passado obscuro e de futuro tenebroso. Não entra na história como herói, mas pela porta dos fundos, como um obscuro juiz camisa negra, cujo único objetivo é despachar os vagões cheios de prisioneiros vermelhos. Para que o mal seja banalizado, como nos ensinou Levinas, é fundamental que o inimigo seja desumanizado.

Em todos os julgamentos de tribunal de exceção, antes de tudo é necessário retirar a humanidade do outro. E para que não tenham dúvida, não estou falando só dos tribunais nazistas e fascistas. O mesmo simulacro de tribunal foi usado nos julgamentos de Moscou e em outros tribunais “revolucionários”, que não julgaram os indivíduos e seus crimes, mas suas ideias.

Moro não está investigando nenhum crime. Seus atos deixaram de ter qualquer resquício de legalidade há muito tempo, e ele não se importa em autorizar gravações ignóbeis e as ceder (sabe-se lá em que condições) à maior rede de conspiração do Brasil (a TV Goebbels), que precisa repetir uma mentira mil vezes para que ela se transforme em verdade.

Assim, assassinam-se as garantias legais. Nenhum de nós é santo, se grampeassem meu telefone, não sei se iria primeiro para a cadeia ou primeiro para o inferno. Numa sociedade falsamente pudica (uma das características principais do fascismo), até os palavrões ditos em confidência são liberados para um “objetivo maior”.
Desumanizar o adversário, para que o terror fascista prevaleça. É necessário que o adversário seja um cão, uma besta leprosa indesejável, que deve ser chutada e cuspida na rua.

Vermelhos, socialistas, comunistas!

Mas não precisa ser socialista ou comunista. Na sanha fascista do mal, quem estiver contra o fascismo já ganha sua adesão incondicional às ideias deste inimigo imaginário.
E tenho bastante moral para gritar contra isto. Quando se começou o linchamento moral de FHC, pelo suposto filho “ilegítimo”, escrevi pequenos textos dizendo que assim nos igualávamos às idiotices do “sítio do Lula”. Como democrata, como socialista, não me interessam as aventuras amorosas de FHC e o que aconteceu com a vida dele. Nem mesmo se ele tem um apartamento em Paris.

Isso é cretinismo. Não se constrói um debate democrático e ideais firmes para um embate político sério assim. Posso sim falar de FHC que ele agora é cúmplice do golpe, quando tinha o dever de denunciá-lo, vítima de 1964 que foi. Com seu aval, o PSDB, partido fundado por ele, embarca na aventura de um golpe de Estado.

No meio desta tragédia, há os “inocentes”. Membros da classe média que se pretendem imparciais, mas que com sua imparcialidade, fazem coro às indecentes violações dos direitos humanos, da privacidade, do vale-tudo. Que correm para futricar as conversas privadas dos PeTistas (estas bestas-feras inimigas da humanidade), fingindo não ver que estas gravações, e seu vazamento, são criminosas. Tudo tirado do seu contexto e repetido ad nauseam para causar o efeito que está causando.

Uma parte da classe média pede “justiça’ a quem rasgou seu papel de defender a justiça, e outra adere à barbárie fascista, agredindo pessoas que julgam adversárias na rua. O povo do “vai para Cuba”. São duas faces da mesma moeda. Assim como a classe média alemã que foi cúmplice e beneficiária do nazismo e só abandonou o sonho do “Reich de mil anos” quando os aliados começaram a bombardear as cidades alemãs.
Não há perdão para esta cumplicidade e covardia.

Há também cumplicidade e covardia de parcela de “esquerdistas”, que num momento de transe histórico e de risco de regressão, sonham que estão às portas de uma Revolução e que Brasília é o Palácio de Inverno. Quixotescos traidores da democracia, que serão os primeiros a serem vitimados.

Vivemos um momento de terror e transe, os próximos dias serão de confrontação de dois campos em disputa pelo futuro do país. Um dos campos tem o juiz medíocre Moro, o conspirador geral da República, Rodrigo Janot, Bolsonaro, Malafaia, Feliciano. A junção do que há de mais perverso é uma ameaça de morte à inteligência.

Num momento tão grave, a maior oferta de cursos universitários não gerou uma juventude com ideias mais avançadas, capaz de defender a democracia e a liberdade.
No local em que eu trabalho, vejo servidores concursados usando trágicas camisas pretas entoarem gritos de guerra pró-Moro, acompanhados de juízes que só pensam no próprio umbigo. Os três estagiários jovens do local em que eu trabalho admiram Bolsonaro e duas disseram que preferem votar em Bolsonaro a votar em Lula.

A mentira dita mil vezes cria um Zeitgest de espírito do tempo às avessas.
Jovens de classe média ou baixa, que passam a acreditar no fascismo como redentor do nada, como redentor do caos que ele mesmo – o fascismo – cria.
Um reles funcionário de quinta categoria, nosso Eichman dos tempos hodiernos, Sérgio Moro, é capaz de liberar os trens para os campos de concentração e tornar uma nação inteira refém dele.

Quando um juiz de uma vara de primeira instância consegue poderes absolutos através da cumplicidade da PGR e da chantagem ilimitada, e se coloca acima da Presidente eleita legitimamente, não é só o governo que se ameaça.
A possibilidade de uma ditadura tecnocrata de burocratas torpes, míopes e obtusos, sem pauta social, sem projeto e no meio do caos de um país dividido, é uma ameaça a todos os democratas.

Devemos defender a democracia pela qual nossos pais sofreram prisão, exílio, tortura e morte, e derrotar o fascismo.

Não consigo me imaginar viver num país onde qualquer Eichman de Curitiba possa golpear uma nação inteira!
Só há um remédio. Temos que ir às ruas e vigiar.
Os fascistas não passarão!



A CULPA É DO HENRIQUE????
Por Waldirene Silva
Sabe o que encontraram contra Lula até agora?
Ódio.
Um ódio que ninguém alimentou por Collor novamente reeleito
Um ódio que ninguém alimentou contra Maluf há anos na vida pública roubando
Um ódio que ninguém alimentou por Sarney num governo que pediu até fiscais donas de casa porque os preços subiram toda hora. Sem falar a miséria que está família fez no Maranhão.
Um ódio que ninguém alimenta contra FHC, professor dono de triplex de auto luxo nos EUA, que vendeu e sumiu com o dinheiro da vale do Rio Doce. Entregando nossas riquezas para estrangeiros Samarco. A que provocou a destruição de famílias e contaminação de Minas até ES.
Um ódio que ninguém sente por Aécio e Perrela responsáveis por tráfico internacional de drogas que destrói famílias
Aécio que todos agora sabem é um assassino confesso.
Ódio que ninguém tem contra Cunha e Claudia sua mulher, que gastou fortunas nossa comprovada e foi inocentada por Sérgio Moro.
O ódio que nunca se viu contra qualquer um, ficaria dias relembrando políticos canalhas, Renan, Caiado, Maia, etc
O ódio é só contra Lula e PT. E quando pergunto quais foram os melhores momentos do povo brasileiro ainda reconhecem que foi o governo do metalúrgico. Mas estão cegos, alienados, doentes.


O discurso de Marcelo Madureira 
na Paulista, proferido em altos brados para duas dezenas de pessoas sedentas de sangue, de cima do carro de som do Vem Pra Rua, é um dos capítulos mais baixos da história recente dos protestos.
https://contraogolpefascista.wordpress.com/2017/03/27/o-desespero-de-marcelo-madureira

O ódio que existe contra os petistas não atinge e prejudica só os petistas, ele destruirá todos nós brasileiros
petistas e coxinhas. 
No passado, no tempo da ditadura não foram apenas os comunistas que sofreram nas mãos dos militares. Comete-se agora o mesmo grande erro quando se pensa que o anti-petismo só afetará e prejudicará seus militantes.
Nada disso, trata-se de uma ameaça a todos nós!
Uma ameaça à Democracia e Constituição e as conquistas decorrentes. Tudo que construímos nas muitas lutas, de quase um século, que nos custaram muitas baixas. 

O anti-petismo não tem a ver com o PT, com Lula, Dilma ou Dirceu. Tem a ver, isso sim,  com os anti-petistas.

Tem a ver com pessoas e partidos que não podem aceitar seus próprios fracassos e querem culpar um terceiro.
Historicamente, nessa banda ocidental do planeta, especialmente na América do Sul, quando um País não funciona da maneira que você quer, ou você acha que deve ser, a culpa é da esquerda, o bode-espiatório nunca é a direita.
Nas mentes desinformadas, basta seguir as receitas do capitalismo e tudo dará certo.  Acredita-se que o Capitalismo é infalível e a solução para todas as coisas.  É quase uma religião, ou melhor, é uma religião com fanáticos convictos.

E é Isto mesmo, esse fanatismo facista, que está acontecendo hoje. E tudo o que eu disser é pouco sobre quão perigoso isto pode ser. Não apenas para os petistas, mas para todos aqueles que valorizam a liberdade, a democracia e a constituição.


O surgimento do anti-petismo acirrado é sintoma de uma enfermidade, o sinal prematuro de aviso de um colapso coletivo rumo ao facismo irracional das massas.
Se o Brasil permitir que o anti-petismo floresça, nesse caminho, isso será o início de seu fim.
Nestes breves linhas quero analisar esse fenômeno social dos coxinhas que odeiam o PT e nem sabem disso.

Precisamos compreender por que os anti-petistas estão convencidos de que o anti-petismo é solução para o Brasil.

Primeiro, definamos o que é anti-petismo:
Não gostar do PT não é anti-petismo. Todos nós conhecemos pessoas de quem não gostamos. Tudo bem, isto é humano; sem perigo algum.
Anti-petismo significa negar aos petistas o direito de existir como Partido com os mesmos direitos que os demais.



Essa negação assume diferentes formas de ódio em diferentes pessoas. Apesar de assumir diferentes formas, segue sendo a mesma coisa: a ideia de que os petistas não têm o direito de existir como um partido, pois acha-se que o partido tem que acabar.
Segundo, criticar o PT não é anti-petismo:
Em conversa recente com alunos de colégio, eles me perguntaram se criticar o PT era ser anti-petista. Eu disse que não. E expliquei a diferença. 
Perguntei-lhes: 
Vocês acreditam que têm o direito de criticar a Igreja Católica? Todos levantaram o braço (concordando).
Perguntei, então:
“Quem acredita que a Igreja Católioca não tem o direito de existir?”.
Ninguém levantou o braço. Então, agora vocês sabem a diferença, disse-lhes. E todos concordaram.

https://militante.petista.org.br/cadastro/
Preencha o cadastro e receba informativos e 
orientações sobre como participar ativamente 
da reconstrução do PT!
https://www.facebook.com/humberto.climaco.5/
posts/1267697469936148
Minha Bandeira é Vermelha
Vocês aceitariam viver num país onde não pudessem usar o símbolo ou a cor de sua religião ou do seu partido político, em público, pois estariam arriscando-se a serem insultados ou atacados? 
Onde, quando expressam sua própria visão da situação, são silenciados, aos gritos?
Pois isto está ocorrendo com os petistas aqui no Brasil! 

Em todos os estados da federação, de norte a sul, sem exceção, os petistas temem até pela vida dos seus filhos. E se for petista do MST ou de outro movimento popular o caso é ainda pior: muitos são mortos, assassinados.

Como "isto" aconteceu? 
Aconteceu da forma como os vírus sempre vencem o sistema imunológico humano, ou seja, por mutação, foi evoluindo sem que houvesse nenhum tipo de freio. 
O novo anti-petismo significa a negação do direito dos petistas existirem como petistas, com os mesmo  direitos que todos os demais.  Até a lei é diferente para os petistas.


O anti-petismo atual se reveste de anti-comunismo. 

Há uma diferença ÓBVIA entre Comunistas, Nazistas, Socialistas, Petistas, Lulistas e Dilmistas. Sequer são todos esquerdistas.  Mas esta diferença não existe para os anti-petistas, ou lhes é conveniente fingirem não saber.
A arma fundamental do novo anti-petismo é assombrosa em sua simplicidade. Vejam:
Acusar seus líderes petistas de corruptos e ladrões sem nenhuma prova e ficar insistindo nisso -na mídia- 24 horas por dia, 30 dias no mês e 365 dias no ano.
Mesmo assim, mesmo com a Mídia bombardeando essa falsa informação, como conseguiram que as mentiras fossem críveis pela população, a ponto de ódio?

A explicação é bem simples, vejamos:  
Quando coisas ruins acontecem a um grupo, seus integrantes podem fazer uma destas duas perguntas:
1-  “O que fizemos de errado?”
2-  ou “Quem nos fez isto?”.

Todo o destino do grupo dependerá da pergunta que escolherem.
Se perguntarem, “O que fizemos de errado?”, terão dado início à uma autocrítica essencial e construtiva de uma sociedade livre.
Se perguntarem “Quem nos fez isto?”, esse grupo se terá se auto-definido como vítima. E, a seguir, procurará um bode expiatório a quem culpar por todos os seus problemas.
Foi isso que a Mídia alimentou aqui no Brasil, e escolheu como bode-espiatório o grupo dos esquerdistas-petistas.
Embora tenha feito o ataque por mais de 10 anos só veio a funcionar quando nossa economia desaqueceu.
Daí que Anti-petismo se firmou e passou a significar que se devia negar aos petistas o direito de existir como Partido com os mesmos direitos que os demais.

Essa negação assume diferentes formas de ódio em diferentes pessoas. Apesar de assumir diferentes formas, segue sendo a mesma coisa: a ideia de que os petistas não têm o direito de existir como um partido, pois acha-se que o partido foi o culpado da crise e por isso tem que acabar.

Anti-petismo (direita facista) é uma forma de fracasso cognitivo que ocorre quando determinados grupos sentem que seu mundo está saindo do controle. Assume por vezes o papel de patriotismo e nacionalismo.
Aliás o facismo está reaparecendo na Europa, atualmente, por razões parecidas: recessão, nacionalismo e uma reação contrária aos imigrantes e outras minorias. O facismo ocorre quando a política da esperança abre caminho para a política do medo, que rapidamente se transforma em política do ódio.


Isto, então, reduz problemas complexos a simplicidades. Divide o mundo em preto e branco, vendo todas as falhas de um lado e todos os complexos de vítima do outro. Seleciona um grupo, entre centenas de criminosos, a quem culpar.  O argumento é sempre o mesmo.
Nós somos inocentes; eles são culpados.
Daí se deduz que, para sermos livres, eles, no caso do Brasil os petistas, precisam ser destruídos. Assim se iniciam os grandes crimes.
Portanto, terminarei aonde comecei. O ódio começa com o PT mas nunca termina com os petistas. O anti-petismo é contra os petistas, apenas de forma secundária.

Primariamente tem a ver com o fracasso de alguns grupos em aceitar a sua própria responsabilidade, por seus próprios fracassos, e de construir seu próprio futuro, com seu próprio esforço.
 Nenhuma sociedade que promoveu perseguições manteve a liberdade, os direitos humanos ou a liberdade religiosa. 
Toda sociedade movida pelo ódio começa buscando destruir seus inimigos, mas termina destruindo a si própria.


O Brasil, hoje, não é fundamentalmente anti-petista. 
No entanto, permitiu que o anti-petismo penetrasse através da velha mídia e dos novos meios eletrônicos... 
PRECISAMOS DAR UMA MARCHA-RÉ NESSA HISTÓRIA DE QUE A CULPA TODA É DA DILMA, É DO LULA, É DO PT.
AFINAL A CULPA TODA É DO HENRIQUE... 
OU NÃO?
By Mico Leão Tollstadius
Texto parodia do original publicado com o Título:
"O Futuro das Comunidades Judaicas na Europa"
do Rabino Lorde Jonathan Sacks
http://morasha.com.br/antissemitismo/o-futuro-das-comunidades-judaicas-na-europa.html
A perseguição violenta aos Petistas aqui no Brasil
se  assemelha com a perseguição dos Judeus na Europa
e no mundo, daí que um texto "inspirou o outro".
====================================











Odair José, um artista popular contra o golpe (09/04/2017)


===========================




===========================

O deputado federal da Bahia, José Carlos Aleluia, parlamentar pelo DEM, acionou o Ministério Público contra o presidente nacional do Partido da Causa Operária, o companheiro Rui Costa Pimenta. Acionou o judiciário, pois num trecho da Análise Política da Semana, o companheiro Rui chama o movimento operário a ocupar Curitiba contra a prisão de Lula. Coloca que os trabalhadores não podem deixar prender a maior liderança popular do País, que é um perseguido político pelo judiciário golpista.
No Mato Grosso do Sul, o deputado federal de outro partido golpista, Elizeu Dionizio do PSDB, solicitou à Polícia Federal a abertura de inquérito policial criminal para investigar o companheiro Rui Costa Pimenta.
O membro do antigo partido da ditadura militar, escancarou a política dos golpistas : Calar, com perseguição judicial e prisão todos os opositores, Aleluia usa como justificativa para acionar o Ministério Público por “crime contra a paz pública”. 




ADVOGADO DENUNCIA O GOLPE 
E É AGREDIDO NO CONGRESSO


http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/287457/Advogado-denuncia-o-golpe-e-%EF%BF%BD-agredido-no-Congresso.htm




===================================================================




=================================================================


O cientista e militar Othon Pinheiro da Silva está sendo perseguido e vilipendiado por entender que “tecnologia própria é independência” – lema atribuído a ele. 

É pelos mesmos motivos que esses inimigos do Brasil querem destruir a Petrobrás, usando como artifício as suspeitas de corrupção e fazendo tanto estardalhado na mídia com isso que, ainda que os fatos não sejam comprovados, ainda que os delatores estejam mentindo, se algum dia a verdade vier à tona, o estrago já terá se completado por inteiro. 

As chances de independência tecnológica, econômica, financeira já terão caído por terra. É nas riquezas minerais e no petróleo do Brasil que os abutres estão de olho. 

É a eles que prestam continência Moro, PSDB, Globo e companhia. Mas até quando vamos aceitar de cabeça baixa essa campanha sórdida, travestida de moralidade, mas, de fato, uma moralidade falsa e oportunista? 

Quem vai se levantar para defender a soberania nacional, os interesses do povo brasileiro, o uso estratégico dos recursos minerais do país, o dinheiro da saúde e da educação que o PLS 131 de José Serra quer roubar? 

Os brasileiros precisam levantar a cabeça e acordar. Sem a Petrobrás, o que será do Brasil?
http://www.pdt.org.br/index.php/noticias/emanuel-cancella-lobos-em-pele-decordeiro

Quem é Othon Luiz Pinheiro da Silva? 
http://conhecerparadebater.blogspot.com.br/2011/10/quem-e-othon-luizpinheiro-da-silva.html


Odair José, Otto, Arnaldo Antunes, Paulo Miklos e Barbara Eugenia - 
Eu vou tirar você desse lugar


TEREZA CRUVINEL
Quem vai juntar os cacos do Brasil?
14 de Abril de 2017


Na marcha insana contra o PT e contra Lula, em nome da moralidade os desastres foram se sucedendo até chegarmos ao momento atual:
feriu-se a democracia com um golpe,
desorganizou-se a economia com a posse de um presidente ilegítimo
e a adoção de uma política econômica equivocada para o momento recessivo
e, finalmente, o sistema político foi implodido.


E agora, o que propõem os que conduziram a detonação?


Quem apontará e viabilizará a saída política pela democracia, pelas eleições gerais ou pelo estabelecimento de um novo pacto político através de uma Constituinte?


A implosão foi obra de um moralismo hipócrita, conduzida por políticos ressentidos com a hegemonia petistas ao longo de 12 anos, pelo Ministério Público e setores do Judiciário imbuídos de um sentido de missão redentora e pela mídia monopólica, ditadora de regras.


O que temos agora são dois poderes esfacelados.
Um Congresso sem legitimidade para aprovar nada, e muito menos reformas que tiram direitos, e um Executivo que não tem a menor condição de governar.


Além dos desastres que já produziu, seu chefe agora é apontado como chefe de um dos esquemas partidários de corrupção, tendo até negociado uma propina de US$ 40 milhões.


Resta o Judiciário, que finge ignorar as consequências da devastação para a qual contribui, por ação ou omissão.
Quando foi que tudo começou?


Tudo começou em 2003/2004, quando viu-se que o governo de Lula não seria o fracasso esperado.


O preconceito, a implicância, o esforço de desmoralização, a busca desesperada por denúncias de corrupção, tudo isso começou lá atrás.


Lula, por seu forte instinto de sobrevivência, sua habilidade política e popularidade, sobreviveu.


Dilma, não. Os tempos também eram outros.


Para remover o PT do governo, já havia disposição para espatifar o país e até para imolar aliados, se fosse preciso.
Como acontece agora, com petistas, tucanos, peemedebistas e outros adversários jogados na mesma vala.

Nenhum comentário: