segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O Analfabeto Político e o Bolsa-Família

Repensar redistribuição de renda, modelo econômico, político (eleitoral), tributário...  esta tem sido a tônica das sociedades mais evoluídas do planeta.

Afinal uma mudança obriga outra mudança, que obriga outra mudança, que obriga outras muitas mudanças e tudo vai mudando ao mesmo tempo.  

Ano passado, por exemplo, em junho de 2016, os suiços discutiram, votaram e rejeitaram num plebiscito um projeto de renda-básica (R$ 9 mil p/ mês sem fazer nada).

Renda-básica é repensar distribuição de renda, de tributos, de empregos e aposentadoria, tudo numa só idéia e num só pacote. Um pacote que promete a solução quase total dos problemas sociais de modo prático, simplificado e condensado.

Esse debate lá fora está bombando, mas "porraqui"...  Xiiii, parece até mistura de palavrão, burrice, demagogia e paternalismo ao mesmo tempo.  Traduzindo, muitos consideram puro populismo para caçar votos dos ingênuos.

No país da "meritocracia" em que Moros e Dallagnois são os heróis da classe-média, pois estudaram e merecem super-salários e projeção social, não cabe nem mesmo bolsa-família, o que dirá renda-básica.

E eu conhecendo o povinho desinformado e preconceituoso que temos "porraqui" nem vou me dar o trabalho de explicar nesse post o "porquê" muitos países avançados estão vendo essa como a única forma de resolver seus problemas nacionais.

O que posso adiantar dessa história, é que por conta das novas tecnologias, e erros nas reformas trabalhistas e previdenciária, somados a crise internacional - não só aqui mas em todos os países - ocorre uma drástica diminuição dos empregos.  E isso tem que ser remediado de alguma forma.

A se considerar que nosso tímido "bolsa-família" poderia algum dia, se aperfeiçoar e se transformar num avançado"renda-mínima" como aliás defende e pretende o Ex-Senador Eduardo Suplicy, não consigo aceitar que gente atrasada tente acabar com esse  auxílio.

Esses velhotes (Temer, Meirelles, Angorá, Doria) defensores de uma velha modernidade, tipo Silvio Santos/RR Soares, querem moderrnizar o País com idéias de 1920.  E são aplaudidos por coxinhas analfabetos!

PRECISAMOS - URGENTE - ENTENDER QUE O BOLSA-FAMÍLIA NÃO DEVE SER DIMINUÍDO E SIM AUMENTADO E TRANSFORMADO EM RENDA-BÁSICA (renda- mínima).

Vale estudar e se esclarecer sobre o assunto!

By Mico Leão
Tollstadius 


Suplicy: 

"Se iniciarmos a renda básica, 

sempre haverá estímulo ao progresso"



ASSIM É O BOLSA FAMÍLIA NA FRANÇA:

"Fiquei um mês na França e posso comprovar que o bolsa família de lá é muito comum e bem aceito.


Na França, o ano escolar começa no início de setembro. Para ajudar os pais a comprar o material escolar, o governo francês (bolivariano-petista-comunista, sem dúvida) paga a cada família uma verba que varia de 364,08 euros (R$ 1.310,00) a 397,48 euros (cerca de R$ 1.432,80), de acordo com a idade dos filhos, que pode ser de 6 a 18 anos. 


Mas isso é só uma das modalidades do que se chama em francês de "allocations" (um termo que deve ter origem em algum livro de Marx, sem dúvida). 


Se uma pessoa tiver dois filhos, ela tem direito a receber POR MÊS uma "allocation familiale" de 129,47 euros (R$ 466,20), se tiver três filhos, 295,35 (R$ 1.062,00), se tiver filhos suplementares, 165,88 euros (R$ 597,00). 


A partir dos 14 anos e até completar 20, esses valores têm uma majoração, porque o governo bolivariano-comunista-petista acha que as famílias dos "vagabundos" franceses têm mais despesas com os filhos à medida que eles crescem. 


Esse tipo de auxílio à "vagabundagem" existe em vários países da Europa.


Ainda bem que nós, que vivemos numa democracia e que tiramos os corruptos e comunistas do poder por meio de um justificado golpe de Estado jurídico-parlamentar, estamos livres desse tipo de "demagogia" e de "populismo".
Bolsa-família, para quê, né? Nossa gente pobre é pobre porque quer. Bom mesmo é viver por aqui, né?


Um país sem violência social, sem resquícios de escravatura e onde todo mundo pode ter sucesso graças aos próprios "méritos".


Marcos Bagno"

O Amadorismo do PT e a Reforma Política (Eleitoral)


Enquanto todos os outros partidos já tem seus planos estratégicos para aproveitar as mudanças, após a Reforma Política, o PT se preocupa apenas em combater o inevitável.   

Se percebesse que em muitos aspectos essa Reforma Pretendida pode lhe ser favorável, mais que aos outros partidos, deveria estar a defender essas mudanças e se preparando para utilizá-las a seu favor.

Desde que saia do seu tradicional amadorismo eleitoral, o PT pode muito bem resgatar tudo que perdeu nas 3 últimas eleições.  Afinal é o único partido que tem militância e simpatia popular.  Quando se fala em "rejeição" ela existe mais quando se trata de determinados nomes políticos massacrados pela mídia.  E não rejeição ao partido como um todo.

Na média de todos os índíces, o PT ainda é o partido mais popular do Brasil, o que tem mais aceitação.  E é só essa falta de organização das forças potenciais do partido, a falta de direcionamento, que faz que não consiga o êxito na eleição de candidatos.  O PT tem muita força e pouca direção, daí ter pouco poder.  O poder é -e sempre será- uma sinergia das forças através de uma inteligente direção.  Como na física, potência é o resultado de força(peso) x direção(velocidade).

Gleisi Hoffman deve atentar para tudo isso e reposicionar o PT (deputados e senadores) para que não gastem muita munição e esforço em combater uma mudança que em muitos aspectos pode ser favorável.   Não dá mais para sair na frente, os outros já estão com os planos prontos, mas dá para ser menos retardatário e já começar a planejar...  ENQUANTO AINDA HÁ TEMPO!

Nós da militância aguardamos - nervosos - por saber em que direção devemos remar.  Alguém tem que apontar a direção!

By Mico Leão
Tollstadius


P.S.  Eu acredito que o PT é o Partido mais forte do Brasil, mais ético, tem grandiosa e valiosa militância, porém apresentou um fraco resultado nas 3 últimas eleições. Acredito que o potencial do partido tem sido sub-aproveitado. E que, na minha modesta opinião, decorre do mal direcionamento das forças que tem. Vejo que, com nova direção (Gleisi), poderemos ser mais acertivos (com "c" mesmo).