segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

William Bonner (JN - Globo) não diz nada sobre Táclan Duran!

MORO CADA VEZ MAIS ENCALACRADO
Por mais que a mídia golpista blinde (e brinde), as zagas dos jornalões está se mostrando impotente para segurar os seus colunistas, cobrando investigações não na Lava Jato, mas da Lava Jato.

Se a Tevê Globo retarda a notícia de que Moro é corrupto, vendedor de sentenças, o jornal O Globo, do grupo, ontem escancarou, e o portal G1, a revista eletrônica do grupo, parece ter dado liberar geral para os seus jornalistas, que estão batendo.
Nas redes sociais o assunto predominante é Tacla Durán e a taclada no togado rabo.

Juristas mais éticos e honestos, menos partidários, têm se pronunciado, exigindo investigação, alguns afirmando que, diante das provas apresentadas, Moro já deveria estar preso.
O silêncio de Moro diz muito, logo ele, falastrão falador.
Este, com certeza, será o assunto dominante nas conversas e discussões da semana, Moro é vendedor de sentença, sua mulher e o padrinho de casamento os intermediários.

Com o assunto já de domínio público, sem ter como esconder, porque vazado das redes sociais e chegando às orelhas de todos, as redes de televisão noticiarão: o nosso herói é igual a uma parcela dos réus que julga, rouba também, com Bonner fazendo cara e bocas com o “furo” de reportagem, como se já não soubesse.

E começará a desconstrução, o desmonte do vendedor de sentenças, manipulador dos autos dos processos, subtraindo documentos e adulterando datas e extratos bancários, a seu bel prazer, para incriminar ou isentar, de acordo com a ideologia do freguês, até então tido por nós como réus, para Moro, mercadorias.

Moro terá o mesmo destino de Collor, Roberto Jefferson, Joaquim Barbosa... Laranjas construídas pelo Globo, descartadas quando não tinham mais o que dar, tornando-se bagaços.
Ontem, nos comentários, afirmei que Moro protocolaria hoje um pedido de licença de um ano, para mais um curso com os seus patrões, nos serviços de inteligência norte-americanos. Errei.
Sabedor do que Tecla Durán falaria e das provas que tinha e apresentou, Moro se antecipou, o pedido de licença foi protocolado na antevéspera, dia 28/11.

Pretende evadir-se e para isso conta com o beneplácito do CNJ e do STF, cúmplices, padrinhos e protetores, mas não será facinho não.

Por investigar empreiteiras e a Petrobras, empresas com negócios em diversos países, a Lava Jato criou braços, tentáculos internacionais, e diversos países, a partir das denúncias feitas pela Lava Jato estão investigando os seus empresários e políticos, com prisões já efetuadas e bens ficando indisponíveis, à disposição da Justiça.

Sabedores que as informações recebidas não são confiáveis, podendo ter induzido a injustiças, esses países deverão se manifestar nas cortes internacionais.

O país mais atingido é a Venezuela, já que sendo a Lava Jato um drone dos Estados Unidos, só mandou para a justiça venezuelana acusações contra homens do governo ou ligados ao governo, isentando os nomes da oposição, ao contrário daqui, onde criminalizou o PT e aliviou os tucanos (só Aécio Neves foi citado 106 vezes, por delatores, sem nenhuma consequência).

Maduro declarou que vai pedir a Durán cópias dos resultados da perícia feita nos documentos que ele apresentou como falcatruas de Moro e, sendo verdadeiros os laudos, e são, quem periciou foi a Justiça espanhola, pedirá a prisão de Moro.

Como está em território brasileiro, Moro não será preso, ficando na situação de Paulo Mafuf: se cruzar as fronteiras, sair do Brasil, a Interpol prende.

Os Marinhos, por causa da corrupção da Globo com a FIFA, deverão logo estar na mesma situação.

Parece que a Lava Jato chegou, finalmente, na corrupção.
Francisco Costa
Rio, 04/12/2017.



CARTINHA ABERTINHA A UM COXINHA ESPERTINHO E INVOCADO
Meu caro coxinha Primeiro você foi Aécio, e eu... Lula. Aí apareceram gravações telefônicas dando conta de propinas, extorsões, ameaças de homicídio... E mais, apareceu helicóptero com meia tonelada de cocaína, e você ficou órfão. E você adotou o Eduardo Cunha, berrando por aí “somos todos Cunha”, e eu... Lula. E vieram contas secretas, offshores, desfalques, propinas, cadeia... E você ficou órfão de novo. E você foi para o MBL, ombreou-se com o Kim Pikapqna e o Holliday numa Nice, se vestiu de Neymar, cultuou um patinho amarelinho... E eu... Lula. Aí você descobriu que o MBL era financiado pelos partidos da direita, pelos empresários que estavam na Lava Jato e poderosos empresários norte americanos. E mais soube, que os donos do MBL estavam ricos, plagiando pastores, postando números de contas bancárias nas redes sociais, e você só depositando... Até chegar o ponto alto, à briga, na justiça, entre o Alexandre Frota e os donos do MBL, não por questões ideológicas ou político-partidárias, mas pela empresa, a rentável MBL, e você ficou órfão outra vez. Veio a condução coercitiva do Lula, na verdade um seqüestro, e você passou a ser o Japonês Bonzinho da Federal, com todo mundo postando “somos todos o japonês bonzinho”, até usou máscara do japonês, no carnaval, lembra? E eu... Lula. Aí você descobriu que o japa era um dos intermediários nos ajustes das delações premiadas, com o Juiz; que já respondeu a inquérito, por contrabando na fronteira, que já esteve preso temporariamente, pelo mesmo motivo, que já quase foi exonerado a bem do serviço público... E olha você órfão de novo. E você, quase que como única opção, somos todos Moro, o justiceiro, o homem que vai acabar com a corrupção, vai por ordem nesse país... E eu... Lula. Aí, de repente, não mais que de repente, como afirmou um poeta de esquerda, me aparece um certo Tacla Durán e, mais que repetir as acusações tantas vezes repetidas por outros, apresenta as provas, insofismáveis, irretocáveis, inquestionáveis, indiscutíveis, indubitáveis, incontroversas, irrecusáveis e mais tantos adjetivos sinônimos a sua limitada cabecinha queira dar: o seu ídolo, ícone da honestidade, arauto do tudo certinho, é um vendedor de sentenças, um manipulador de processos, um adulterador de datas e extratos bancários, um censor colocador de tarjas pretas sobre os nomes dos bandidos amigos, um fraudador, uma farsa jurídica a serviço da Cia. Ei-lo órfão de novo, de novo procurando onde se apoiar, sem um paizinho em quem possa confiar. Meu caro coxinha! Você sabe a diferença entre as famílias honestas, normais e os bandos de degenerados? Nas famílias normais, cada um sabe quem é o seu pai, o mesmo, do nascimento à morte, não precisa ficar procurando. Timboré Takanuku, o japonês mauzinho Rio, 04/12/2017. PS: isso é pra você não ir mais à página do meu copydesk, provocar. Entendeu, ameba despentelhada?

                        =================================
Davi Corrêa:

"Moro desbloqueia Dinheiro de Lula (Previdência) pq é Lícito!"

E vamos combinar q é a operação "leva-jeito" deflagrada toda contra Lula que é ilícita...


                                                                  que documentos foram forjados p/incriminar Lula (fraudaram pilhas de documentos) , QUE NÃO EXISTEM PROVAS CONTRA LULA, QUE DELAÇÃO NÃO É PROVA:  É A PALAVRA DO OUTRO CONTRA A MINHA PALAVRA 

E Q A "LEVA- JEITO" - não lava corrupção nenhuma - FOI MONTADA P/ EXTERMINAR COM LULA, PT E ESQUERDA, SÓ ISSO, SOMENTE ISSO.

PQ. A IRMÃ DO AÉCIN FOI LIBERADA ATÉ DE PRISÃO DOMICILIAR, 

A MULHER DO CUNHA INOCENTADA , ASSIM COMO OS "ABIGUINHOS" TODOS DO JECA-TATU DE CURITIBA....

E ATÉ O DOLEIRO YOUSSEF (MESMO DO CASO BANESTADO - DO MESMO MORO), DESFRUTA DE UMA PRISÃO DOMICILIAR 10 ESTRELAS...

ENTÃO, NÃO ME VENHAM DIZER QUE A "LEVA-JEITO" FOI MONTADA PRA PEGAR CORRUPTOS, PQ. NÃO FOI: 


SÓ PEGOU INOCENTES, BOTOU NA CADEIA E NÃO SOLTOU MESMO DEPOIS DE INOCENTADOS, FEITO O VACCARI...


#AnulaDeUmaVezEssaLavaJatoEAcabemLogoComEssaPalhaçadaToda

sábado, 23 de setembro de 2017

Brasil se Equipara ao Mundo e Ganha Órgão Fiscalizador de Crimes Nacionais

Brasil acaba de se Equiparar ao resto do Mundo e Ganhar um Órgão especializado em Fiscalizar e Combater a Atividade Criminosa em Solo Brasileiro.  Agora os Crimes Nacionais NÃO ficarão mais sem investigação e punição:  Esse Novo Órgão se Encarregará de Apurar Crimes e levá-los a Justiça para que sejam desestimulados e coibidos.

Assassinatos de sem-terras do MST, Sindicalistas, Índios, Trabalho-Escravo, Trabalho-Infantil, Dizimação da População Negra, Maus Tratos em Presídios, Torturas... e centenas de outros crimes tais como os crimes ambientais, crimes virtuais, tráfico de drogas, tráfico de órgãos, tráfico de pedras preciosas que antes não tinham um órgão para combate-los, passarão agora a contar com essa nova instituição, batizada provisoriamente de MP-Ministério Público.  

A autoridade máxima desse novo órgão será a PGR-Procuradora Geral da República, já indicada pelo Presidente da República, Raquel Dodge.  Ao contrário do Órgão Anterior - de mesmo nome - ou seja, Ministério Público, suas atividades NÃO serão restritas a operar a Lava-Jato da República de Curitiba e Lava-Jato de Brasília.  Esse "novo órgão" atuará em grande espectro (veja aqui), deixando de ser especializado em enviar ações ao STF.  Essa tarefa simplória e específica de ficar enviando processos ao STF da Lava-Jato ficará restrita a uma força-tarefa dentro de um departamento composta de apenas 8 procuradores.  E todo o restante do MP- Ministério Público, todos demais procuradores serão espalhados pelo país, saindo dos eixos: Rio-SP, Brasília-Curitiba.

Haverá tanto trabalho para se fazer, devido a demanda reprimida, que os altos-salários dos procuradores passarão a fazer sentido.  Por outro lado, não haverá mais tempo ocioso para viagens, atividades midiáticas, proferimento de palestras, participação em congressos, elaboração de leis, política-partidária, entrevistas á rádios, revistas e TVs, Bingos e afins.

Com essa inovação, o Brasil poderá se equiparar aos demais países e tentar  reverter a situação atual de República Bananeira.  Não haverá mais espaço para servidores públicos (e seus Power-points) agindo como se fossem uma Carmem Miranda cheia de Balangandãs.

By Mico Leão 
Tollstadius

=============================

NÃO PAGUE MICO!!

Saiba o que Eugênio Aragão tem a dizer 
a respeito da falsa informação que circula por aí, de que: 
Raquel Dodge teria nomeado o primo de Agripino Maia. 
*LEIA COM ATENÇÃO E NÃO COMPARTILHE MENTIRAS!*
"Luciano Maia não tem nada em comum com Agripino Maia.
É um militante dos direitos humanos! 
Foi um dos que ajudou a montar a Comissão Nacional de Combate à Tortura. Ajudou Nilmario, Vanucchi e Maria do Rosário. 
E ele não vai ficar no lugar dos procuradores que saíram.
 Luciano Maia é Vice Procurador-geral da Raquel e foi a melhor indicação que ela fez. 
Nossa turma ao difundir uma babaquice dessas não difere em nada dos caluniadores da direita!"

Confira Aqui:
http://www.viomundo.com.br/denuncias/aragao-alerta-politicamente-luciano-maia-nao-compartilha-nada-com-agripino-e-um-militante-de-direitos-humanos.html

========================
Ministro Luiz Roberto Barroso
Traidor da Pátria!
É muita indignidade de um ministro do STF, pago pelo povo brasileiro, ir a uma potência estrangeira falar mal do seu país e cometer o crime de fazer comentários sobre uma Ação em andamento no judiciário.
VERGONHA!!!
Miguel Do Rosario
Cafezinho nas Ruas
Quanto mais pesquiso, mais evidências encontro de que o setor que mais ganhou com a Lava Jato foram refinarias de petróleo norte-americanas.
Essas refinarias pertencem a corporações como Marathon, Shell, Chevron, Koch Industries.
Várias dessas corporações financiam, junto com verbas federais liberadas pelo Congresso americano, o Wilson Center.
Pois bem, o excelentíssimo ministro Luis Roberto Barroso, do STF, esteve lá, no Wilson Center, no dia 8 de setembro de 2017.
Esse vídeo deveria ser baixado e legendado, porque ele mostra um ministro do STF, em pleno think tank controlado pela Casa Branca (que indica toda a diretoria do Wilson, em geral pessoas da comunidade de inteligência; ou seja, o Wilson é centro de espiões), dizendo que há corrupção em todas as estatais brasileiras, como Caixa, BNDES, Banco do Brasil, Petrobrás, Eletrobrás.
Leiam a matéria da BBC Brasil sobre o discurso de Barroso, e me ajudem a contar quantos crimes ele cometeu.
Primeiro: a lei da magistratura proíbe juízes de falar sobre processos em curso, sobretudo de processos que o próprio juiz irá julgar. Barroso deitou falação sobre a Lava Jato e outros processos, que ele mesmo deverá julgar a qualquer momento.
Mas Barroso cometeu um crime ainda maior do que esse. Imagine um juiz norte-americano ir a um importante centro de inteligência de outro país, acusar as estatais norte-americanas de estarem tomadas por corrupção?
A fala de Barroso é um ataque ao soft power brasileiro, e, com isso, deve ser classificada como um crime de traição à pátria.
A pergunta que fazemos é: Barroso recebeu cachê para falar essas barbaridades contra o Brasil? Ou fez de graça mesmo, bancado com recursos suados dos contribuintes brasileiros?
A passagem para os EUA foi paga pelo Wilson Center?
A presidente Dilma, assim como outras autoridades, já participaram de atividades no Wilson Center, mas isso bem antes da Lava Jato e do golpe.
E não foram lá falar mal do Brasil, muito menos comentar sobre investigações em curso – ou pior, corroborar processos judiciais altamente polêmicos!
Como é possível que Barroso aceite, como normal, tudo que está acontecendo no Brasil?
E, mais que isso, que viaje aos Estados Unidos e diga isso num think tank do governo americano (sediado num edifício federal chamado Ronald Reagan, do qual o Wilson não paga aluguel), ignorando críticas de boa parte da comunidade jurídica brasileira?
A UERJ, onde o ministro estudou e onde dá aulas e recebe salários, está fechada! E por culpa, evidentemente, da Lava Jato, que quebrou a economia fluminense.
Esse outro juiz, Bretas, é um sub-Moro.
Condenou o almirante Othon Pinheiro, a 43 anos de prisão.
Que tipo de país condena o seu maior especialista nuclear, um heroi nacional, a uma pena dessa?
Somente um país sob ocupação militar estrangeira faz isso!
Quando o historiador futuro escrever sobre esse triste período do país, não esqueça de considerar a traição de nossos juízes.
Vai um recado, portanto, às gerações futuras de brasileiros: cuidado com o judiciário, sobretudo quando juízes e procuradores se curvam a um sistema de cooperação internacional hegemonizado por uma potência estrangeira.
Corrupção, deve ser combatida com democracia, respeito às garantias individuais, e, sobretudo, proteção aos interesses nacionais.